Kátia Abreu e Patrus Ananias recebem documento

Ministros responsáveis pela gestão do Plano ABC se comprometem a realizar revisão 19/06/2015 - Maura Campanili

Os primeiros ministérios visitados por Roberto Rodrigues e a equipe do Observatório ABC foram os responsáveis diretos por sua gestão, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que tem efetivamente tocado o Plano ABC, e Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), ainda um pouco envolvido com o tema. No encontro com a ministra da Agricultura Kátia Abreu, realizado na Superintendência de Agricultura, em São Paulo, a necessidade do monitoramento do Programa ABC foi o destaque.

A ministra ouviu do pesquisador Eduardo Assad, do Observatório ABC e da Embrapa, que a linha de base para o monitoramento já está pronta, a partir de da análise de 192 unidades de referência tecnológica (URT), espalhadas por todo o país. “Mas o monitoramento precisa ir a campo em cada fazenda que tomou recursos do Programa ABC para medir o quanto se reduziu de emissões em cada local”, explicou. Esse monitoramento não tem sido feito porque os bancos responsáveis pelo crédito (Banco do Brasil e BNDES) não fornecem os dados georreferenciados das propriedades. “Precisamos ter a latitude e a longitude de cada um dos empréstimos. Sem o monitoramento com imagens, a partir dos dados das UTR, os cálculos são um chute”, afirmou o pesquisador.

Segundo Assad, os estudos que embasaram o Plano ABC calcularam uma redução de emissões de 133 milhões de toneladas de Carbono (t/CO2e) em dez anos. “Mas os dados recentes mostram que esses números foram tímidos e que as reduções podem ser muito maiores”, afirmou. A comprovação dessa informação em campo pode colaborar para o cumprimento da meta do ABC em área, que era de 39 milhões de hectares, mas até o momento não alcançou 10% dessa meta. O pesquisador lembrou, ainda, que o Laboratório de Monitoramento do Plano ABC foi construído na Embrapa de Jaguariúna, mas ainda não está em funcionamento, e sua governança deve ser do Mapa.

Kátia Abreu prometeu olhar o documento com todo o cuidado e delegou ao secretário de Política Agrícola, André Nassar, o andamento da revisão do Plano ABC e a questão do monitoramento. Também afirmou que a inauguração do laboratório será em breve, que está aguardando apenas ser marcada na agenda. “Precisamos criar regras para poder fornecer a localização das propriedades, preservando os dados sigilosos, afinal o Brasil assumiu um compromisso em 2009 e precisa mostrar os resultados”, reforçou Nassar na reunião.

Agricultura familiar

Na reunião com o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, realizada na sede do MDA em Brasília, Roberto Rodrigues afirmou que o MDA não se engajou tanto ao Plano ABC. Mas que isso seria muito importante, visto que o Plano não é voltado apenas para o grande produtor. “Queremos um pouco mais de comprometimento do MDA no processo”, disse.

Segundo o ministro, qualquer proposta de integrar a agricultura familiar “é música para meus ouvidos”, assim como a inclusão da questão ambiental com a agrícola. Afirmou que a revisão do Plano ABC seria uma prioridade e que iria conversar com a ministra Kátia Abreu já durante o lançamento do Plano Safra 2015/2016, na próxima segunda-feira (22/6). 

 

 

Leia também:

Observatório faz sugestões para revisão do Plano ABC

Ministros se comprometem a colaborar na revisão do ABC 

COMPARTILHE